Exposição: A Química na História do Universo, da Terra e do Corpo

    O Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) irá mostrar a Química – sob um aspecto histórico e moderno – enquanto agente da origem e da evolução do universo, enquanto elemento presente nas transformações dos produtos da terra e como a ciência que permite à biologia manipular as estruturas do ser vivo, operando nos limites da ética científica.

    “Nos últimos duzentos anos, a enorme expansão dos conhecimentos químicos e físicos deu aos materiais um irremediável valor social e econômico. Associada ao remédio e ao veneno, ao bem-estar e ao doping, à produção de combustíveis, à poluição, à contaminação dos alimentos e dos ambientes, a Química marcou a evolução histórica do mundo e dos homens” – explica Heloisa Maria Bertol Domingues, diretora do MAST e curadora da exposição juntamente com o químico e filósofo Gastão Galvão de Carvalho e Sousa.

    Quatro ambientes foram preparados com a exposição de 19 instrumentos científicos de diferentes áreas da ciência, que tiveram aplicação na Química, além de vídeos, projeções, painéis e ambientações. Por três módulos, perpassa uma linha do tempo que mostra a história dessa ciência relacionada aos elementos Universo, Terra e Corpo.

    Um laboratório do século XX, representado através de uma ambientação, traz uma bancada sobre a qual estão dispostos frascos, balanças, centrífugas e outros aparatos científicos usados no estudo da Química. Neste espaço, a exposição convida os visitantes a conhecerem, também, outra ambientação de um laboratório de alquimia do século XV.

    No módulo Universo, a imagem de uma galáxia ajuda a explicar a Química como agente da origem e da evolução do mundo. Nesse ambiente, a explanação sobre o estudo do espectro é acompanhada pelo Espectroscópio de Difração, instrumento do século XX utilizado para o estudo do espectro de raias de lâmpadas espectrais, através da passagem de um feixe luminoso por uma rede de difração.

    O módulo Terra aborda a evolução da Química através dos séculos e apresenta os elementos químicos e estudos relacionados. Para melhor compreensão dos assuntos abordados, estão expostos uma tabela periódica e instrumentos como o Carbacidômetro de Wolpert do século XIX, utilizado para determinar a quantidade de gás carbônico contido na atmosfera de ambientes fechados.

    O último módulo da exposição, sobre o Corpo, aborda a relação da Química como ciência que permite a manipulação das estruturas do ser vivo. A projeção de uma infogravura concebida a partir do homem vitruviano é acompanhada por textos de Louis Pasteur – que contribuiu para o estudo das origens da vida, com passos decisivos na análise da estrutura molecular dos corpos – e de Marie Curie, ganhadora dos Prêmios Nobel de Física, em 1903, pela descoberta da radioatividade, e de Química, em 1911, pela descoberta dos elementos rádio e polônio e por investigar suas propriedades.

    “Queremos mostrar a Química enquanto fronteira do conhecimento. Tal como foi a alquimia nos séculos XV e XVI, hoje, a Química está no centro dos estudos sobre o meio ambiente, as mudanças climáticas, a sustentabilidade, bem como sobre a manipulação das estruturas do corpo. É importante que o conhecimento a respeito de sua atuação em amplo espectro seja difundido” – ressalta Heloisa Bertol.

    O Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) fica localizado na Rua General Bruce, 586 em São Cristovão no Rio de Janeiro e os horários de visitação são: terça, quinta e sexta, 9h às 17h; quarta, 9h às 20h; sábado, 14h às 20h; domingo e feriado, 14h às 18h.

 

FONTE: http://www.crq3.org.br/noticia.php?id=35